Profile of women with cervical changes from a city in the northeast brazil

Thamyres Fernanda M. Pedrosa; Sérgio D. Magalhães Filho; Adrya Lúcia Peres
J. Bras. Patol. Med. Lab. 2019;55(1):29-3
DOI: 10.5935/1676-2444.20190004

ABSTRACT

INTRODUCTION: In Brazil, cervical cancer is the fourth leading cause of cancer death. It reached 5,430 deaths in the year 2013, with estimated 16,370 new cases by 2018. Its occurrence has been associated with previous human papillomavirus (HPV) infection for the development of intraepithelial lesions; however, several factors can influence this appearance, including number of sexual partners and infections by other microorganisms.
OBJECTIVE: The profile of women from the city of Caruaru, Pernambuco, Brazil, with atypia, cervical intraepithelial lesions and cancer, was verified.
MATERIAL AND METHOD: Documentary, analytical, retrospective study, carried out through the collection of information in the database of the State Department of Health of Pernambuco, by TabNet, referring to the tests in the laboratory of the municipality of Caruaru, Pernambuco, Brazil.
RESULTS: During the study period, 18,466 tests were evaluated. From the samples evaluated, 735 (4.31%) were squamous and glandular atypia, 167 (0.98%) intraepithelial lesions, and one (0.005%) cancer. Coccus, Gardnerella vaginalis and Lactobacilli were the most evident agents in cervical alterations.
DISCUSSION: Studies demonstrate the intimate relationship between infectious agents and the development of cervical lesions and cancers. Gardnerella vaginalis was the most frequent agent in the presence of abnormalities was identified as a facilitator of HPV penetration.
CONCLUSION: Women infected by Gardnerella vaginalis and older than 30 years of age are more exposed to the development of alterations. Guidelines on prevention and screening should be continuous strategies in public services. Understanding these risk factors is a paramount concern because they are involved in the prevention and etiology process of cervical lesions and cancer.

Keywords: risk factors; carcinoma of the uterine cervix; sexually transmitted diseases; papillomavirus infections.

RESUMEN

INTRODUÇÃO: No Brasil, o câncer do colo do útero é a quarta causa de morte por câncer. Atingiu 5.430 mortes no ano de 2013, com estimativa de 16.370 novos casos para 2018. Sua ocorrência tem sido associada à infecção prévia pelo papilomavírus humano (HPV) para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais, no entanto, vários fatores podem influenciar esse aparecimento, por exemplo, número de parceiros sexuais e infecções por outros microrganismos.
OBJETIVO: Verificou-se o perfil das mulheres do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil, com atipias, lesões intraepiteliais cervicais e câncer.
MATERIAL E MÉTODO: Estudo documental, analítico, retrospectivo, realizado por meio do levantamento de informações no banco de dados da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, pelo TabNet, referentes aos exames no laboratório do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil. Resultados: No período do estudo foram avaliados 18.466 exames. Das amostras avaliadas, 735 (4,31%) foram atipias escamosas e glandulares; 167 (0,98%), lesões intraepiteliais; e uma (0,005%), câncer. Cocos, Gardnerella vaginalis e lactobacilos foram os agentes mais evidentes nas alterações cervicais.
DISCUSSÃO: Estudos comprovam relação íntima dos agentes infecciosos com o desenvolvimento de lesões e cânceres cervicais. Gardnerella vaginalis foi o agente mais frequente na presença de anormalidades, sendo identificada como facilitadora da penetração do HPV.
CONCLUSÃO: Mulheres infectadas por Gardnerella vaginalis com idade acima de 30 anos representam maior exposição ao desenvolvimento de alterações. Orientações quanto à prevenção e ao rastreamento devem ser estratégias constantes nos serviços públicos. Entender esses fatores de risco é primordial, porque eles envolvem o processo de prevenção e etiologia das lesões e do câncer cervical.

Palabras-clave: fatores de risco; neoplasias do colo do útero; doenças sexualmente transmissíveis; infecções por papilomavírus.

RESUMO

INTRODUÇÃO: No Brasil, o câncer do colo do útero é a quarta causa de morte por câncer. Atingiu 5.430 mortes no ano de 2013, com estimativa de 16.370 novos casos para 2018. Sua ocorrência tem sido associada à infecção prévia pelo papilomavírus humano (HPV) para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais, no entanto, vários fatores podem influenciar esse aparecimento, por exemplo, número de parceiros sexuais e infecções por outros microrganismos.
OBJETIVO: Verificou-se o perfil das mulheres do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil, com atipias, lesões intraepiteliais cervicais e câncer.
MATERIAL E MÉTODO: Estudo documental, analítico, retrospectivo, realizado por meio do levantamento de informações no banco de dados da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, pelo TabNet, referentes aos exames no laboratório do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil.
RESULTADOS: No período do estudo foram avaliados 18.466 exames. Das amostras avaliadas, 735 (4,31%) foram atipias escamosas e glandulares; 167 (0,98%), lesões intraepiteliais; e uma (0,005%), câncer. Cocos, Gardnerella vaginalis e lactobacilos foram os agentes mais evidentes nas alterações cervicais.
DISCUSSÃO: Estudos comprovam relação íntima dos agentes infecciosos com o desenvolvimento de lesões e cânceres cervicais. Gardnerella vaginalis foi o agente mais frequente na presença de anormalidades, sendo identificada como facilitadora da penetração do HPV.
CONCLUSÃO: Mulheres infectadas por Gardnerella vaginalis com idade acima de 30 anos representam maior exposição ao desenvolvimento de alterações. Orientações quanto à prevenção e ao rastreamento devem ser estratégias constantes nos serviços públicos. Entender esses fatores de risco é primordial, porque eles envolvem o processo de prevenção e etiologia das lesões e do câncer cervical.

Palavras-chave: fatores de risco; neoplasias do colo do útero; doenças sexualmente transmissíveis; infecções por papilomavírus.

Leave a Reply

Your email address will not be published.