Emergence of polymyxin B-resistant Acinetobacter baumannii in hospitals in Rio de Janeiro

Gabrielle L. Genteluci; Daniela B. C. Gomes; Maria José de Souza; Karyne R. Carvalho; Maria Helena S. Villas-Bôas
J. Bras. Patol. Med. Lab. 2016;52(2):91-95
DOI: 10.5935/1676-2444.20160021

ABSTRACT

INTRODUCTION: Acinetobacter baumannii has been considered a prevalent pathogen in hospitals, raising concern in the medical community due to its broad spectrum of antimicrobial resistance. Since it is a subject that arouses much interest, it has been increasingly studied. Due to the emergence of multidrug-resistant (MDR) Gram-negative bacteria, the use of polymyxins was reestablished. The polymyxins have been considered the only option for the treatment of severe infections caused by MDR A. baumannii.
OBJECTIVE: To investigate the susceptibility profile of A. baumannii to polymyxin B.
MATERIAL AND METHOD: 92 clinical isolates from two public hospitals in the Rio de Janeiro city were studied using broth microdilution method.
RESULTS: Most of the isolates were resistant to polymyxin B, 81.5% (n = 75), and minimum inhibitory concentration (MIC) values ranged between 4-64 mcg/ml.
CONCLUSION: These results are a concern since currently the polymyxins have been considered the most effective therapeutic option against MDR isolates of A. baumannii.

Keywords: multidrug-resistance; Acinetobacter baumannii; polymyxin B; hospital infection..

RESUMO

INTRODUÇÃO: Acinetobacter baumannii tem sido considerado um patógeno prevalente nos hospitais, gerando preocupação na comunidade médica por conta de seu extenso espectro de resistência aos antimicrobianos. Por ser um assunto que desperta muito interesse, tem sido cada vez mais estudado. Devido à emergência de bactérias Gram-negativas resistentes a múltiplas drogas (MDR), o uso de polimixinas foi reestabelecido. As polimixinas têm sido consideradas a única opção para o tratamento de infecções graves causadas por A. baumannii MDR.
OBJETIVO: Investigar o perfil de suscetibilidade de A. baumannii à polimixina B.
MATERIAL E MÉTODO: Foram estudados 92 isolados clínicos provenientes de dois hospitais da rede pública do município do Rio de Janeiro por meio da técnica de microdiluição em caldo.
RESULTADOS: A maioria dos isolados foi resistente à polimixina B, 81,5% (n = 75), apresentando valores de concentração inibitória mínima (CIM) entre 4-64 mcg/ml.
CONCLUSÃO: Esses resultados são preocupantes, já que atualmente as polimixinas têm sido consideradas a opção terapêutica mais eficaz contra isolados de A. baumannii MDR.

Palavras-chave: resistência microbiana a medicamentos; Acinetobacter baumannii; polimixina B; infecção hospitalar.