Pseudothrombocytopenia: incidence and strategy for resolution in clinical laboratory

Romário F. Prates; Robson C. Viana; Márcio V. Oliveira; Claudio L. Souza
J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(6):382-387
DOI: 10.5935/1676-2444.20170061

ABSTRACT

INTRODUCTION: Pseudothrombocytopenia is an important source of pre-analytical problems in clinical laboratory; therefore it must be correctly evaluated. Low spurious platelet counts can lead to misdiagnosis.
OBJECTIVE: This study aims to study the resolution of pseudothrombocytopenia in the laboratory routine of clinical laboratory by standardizing the use of vortexer.
METHODS: This is a cross-sectional, analytical, quantitative study based on experimental approach, involving 45 pseudothrombocytopenia samples divided into three groups and submitted to vortexing for 1, 2 and 3 minutes.
RESULTS: During the study, 28,435 blood counts were performed, and 56 (0.196%) of these samples confirmed platelet aggregates. The 2 and 3 minute times normalized the platelet count (greater than 150,000/µl) in two thirds of the samples tested. Platelets, hemolysis index, platelet distribution width (PDW) and mean platelet volume (MPV) presented statistically significant mean difference (MD) (p < 0.05) after vortexing at all times.
CONCLUSION: The 2 and 3-minute times were the most effective in the resolution of pseudothrombocytopenia, however, the 2 minutes time should be preferred because it produced fewer effects on the erythrocyte membrane.

Keywords: thrombocytopenia; platelets counting; clinical laboratory techniques; laboratory automation.

RESUMO

INTRODUÇÃO: A pseudotrombocitopenia constitui importante fonte de problemas pré-analíticos no laboratório clínico, por isso deve ser corretamente avaliada. Baixas contagens de plaquetas espúrias podem levar a suspeitas diagnósticas equivocadas.
OBJETIVO: Este estudo se propôs a estudar a resolução da pseudotrombocitopenia na rotina de laboratório de análises clínicas pela padronização do uso de vortex.
MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal analítico e quantitativo, apresentando-se dentro de uma abordagem de cunho experimental, o qual envolveu 45 amostras pseudotrombocitopênicas divididas em três grupos e submetidas a agitação com vortex nos tempos de 1, 2 e 3 minutos.
RESULTADOS: Durante a realização do estudo, foram realizados 28.435 hemogramas, sendo 56 (0,196%) amostras confirmadas com a presença de agregados plaquetários. Os tempos de 2 e 3 minutos normalizaram a contagem de plaquetas (maior que 150.000/µl), em dois terços das amostras testadas. Plaquetas, índice de hemólise, amplitude de distribuição das plaquetas (PDW) e volume plaquetário médio (VPM) apresentaram diferença de média estatisticamente significativa (p < 0,05) após o tratamento com vortex em todos os tempos testados.
CONCLUSÃO: Os tempos de 2 e 3 minutos foram os mais eficazes na resolução da pseudotrombociopenia, contudo, o tempo de 2 minutos deve ser utilizado por ter produzido menores efeitos sobre a membrana eritrocitária.

Palavras-chave: trombocitopenia; contagem de plaquetas; técnicas de laboratório clínico; automação laboratorial.