Aspartate aminotransferase to platelet ratio index (APRI) for differentiation of primary and secondary infection by dengue virus

Suellen R. Martins, Melina B. Pinheiro, Luci Maria S. Dusse, Ana Paula L. Mota, Patrícia N. Alpoim
J. Bras. Patol. Med. Lab. 2018;54(5):273-278
DOI:10.5935/1676-2444.20180047

RESUMO

INTRODUÇÃO: A infecção pelo vírus da dengue (DENV) é considerada um grande problema de saúde pública nos países tropicais. A indisponibilidade de testes sorológicos em centros de saúde pública pode afetar negativamente o prognóstico do paciente.
OBJETIVO: Este estudo teve como objetivo avaliar a precisão do volume médio de plaquetas (MPV) e o índice da relação de aspartato aminotransferase (AST) sobre plaquetas (APRI) como marcadores laboratoriais de infecção por DENV, que poderiam ser utilizados para diferenciar infecções primárias e secundárias.
MÉTODOS: Foram avaliados os resultados laboratoriais de 503 pacientes com teste rápido positivo para infecção por DENV.
RESULTADOS: Foram observadas trombocitopenia grave e disfunção hepática em pacientes com infecção secundária heterogênea por DENV. Nossos dados sugerem que o APRI foi capaz de distinguir os pacientes com infecção primária e secundária (p = 0,006), com relevante sensibilidade (75%) e especificidade (76%) e corte de 1,06. Um total de 80 de 105 (76%) pacientes com infecção primária por DENV tinha APRI ≤ 1,06; e 12 (75%) com infecção secundária por DENV, APRI > 1,06. Por outro lado, o MPV não mostrou significância na diferenciação de tipos de infecção, apresentando baixo valor da área sob a curva de característica de operação do receptor (ROC) (0,61).
CONCLUSÃO: APRI parece ser uma ferramenta poderosa para identificação precoce de casos de infecção secundária de DENV em centros de saúde.

Palavras-chave: dengue; aspartato aminotransferases; diagnóstico; contagem de plaquetas.

ABSTRACT

INTRODUCTION: Dengue virus (DENV) infection has been considered a major public health problem in tropical countries. The unavailability of serologic testing in public health centers might adversely impact patients’ outcome.
OBJECTIVE: This study aimed to evaluate the accuracy of mean platelet volume (MPV) and aspartate aminotransferase (AST) to platelet ratio index (APRI) as laboratory markers of DENV infection that could be used to differentiate primary and secondary infections.
METHODS: We assessed laboratory results from 503 patients with positive rapid test for DENV infection.
RESULTS: Severe thrombocytopenia and increased liver involvement were observed in patients with DENV heterotypic secondary infection. Our data suggest that APRI was able to distinguish patients with primary and secondary infection (p = 0.006) with a relevant sensitivity (75%), specificity (76%) and a cut-off of 1.06. A total of 80 out of 105 (76%) patients with primary DENV infection had APRI ≤ 1.06, and 12 (75%) with secondary DENV infection had APRI > 1.06. On the other hand, MPV did not show significance in the differentiation of types of infection, coming up with poor area under the receiver operating characteristic (ROC) curve (0.61).
CONCLUSION: APRI seems to be a powerful tool for early identification of DENV secondary infection cases in health centers.

Keywords: dengue; aspartate aminotransferases; diagnosis; platelet count.